Prevenção da tortura: A APT Abre um Escritório na América Latina

Monday, March 22, 2010

Genebra, 17 de Março de 2010 – A Associação para a Prevenção da Tortura (APT) abrirá, em abril, seu Escritório Regional para a América Latina, com sede no Panamá. A APT deseja fortalecer suas ações de prevenção nos países da região e contribuir, dentre outros, para o estabelecimento de mecanismos nacionais de prevenção eficientes com atribuição para visitar locais de privação de liberdade.

Image removed.

Hugo Lorenzo, Diretor
Escritório da APT para a América Latina
EnglishFrançaisEspañolPortuguês

A APT desempenhou um papel decisivo para convencer a maioria dos Estados da América Latina a ratificar o Protocolo Facultativo da Convenção das Nações Unidas contra a Tortura (daqui por diante: o Protocolo). A região se encontra agora frente a uma conjuntura sem precedentes para se alcançar o efetivo cumprimento deste tratado, através da designação de organismos independentes compostos por especialistas para monitorar todos os locais de privação de liberdade. Garantir a transparência dos locais de privação de liberdade através de um sistema desta natureza tem se mostrado como um dos meios mais efetivos para prevenir a tortura e outros tratamentos similares.

O Escritório da APT para a América Latina, cuja abertura está prevista para o mês de abril na “Cidade do Saber” Panamá, contribuirá para o processo de implementação do Protocolo na região através da promoção de amplas consultas nacionais com todos os potenciais protagonistas deste processo, de assessoria sobre o Protocolo, o estabelecimento e funcionamento de Mecanismos Nacionais de Prevenção e da capacitação sobre monitoramento preventivo. Um colóquio regional organizado na Cidade do Panamá marcará a abertura oficial do Escritório.

A oportunidade se apresenta agora para que os Estados da região ponham fim à prática de tortura e às condições desumanas de detenção que ainda persistem na América Latina. A APT confia que seu Escritório Regional contribuirá de maneira concreta para os esforços destes Estados no sentido de abrir as portas de seus lugares de detenção e conferindo-lhes plena transparência visando a assegurar o respeito à dignidade humana de toda pessoa privada de sua liberdade.


Equipe do Escritório da APT para a América Latina:

Diretor: Dr. Hugo Lorenzo (Uruguai), jurista, ex-magistrado e ex-membro do Comitê contra a Tortura das Nações Unidas
Assessora: Claudia Cesaroni (Argentina), advogada com mais de vinte anos de experiência na promoção dos direitos das pessoas privadas de liberdade
Administradora: Elena Villalba


Apoio finaceiro para o Escritório:

Liechtenstein (principal doador), Dinamarca, Comissão Européia, Suécia, Suíça, Reino Unido.


Image removed.

Claudia Cesaroni, Assessora
Escritório da APT para a América Latina