Home Recursos Noticias sobre prevención Investir em Medidas Assecuratórias para Prevenir a Tortura

Investir em Medidas Assecuratórias para Prevenir a Tortura


lunes, 26 junio 2017

26 de junho de 2017 (Genebra/Washington DC/Viena/Amsterdam) – Hoje, por ocasião do Dia Internacional de Apoio às Vítimas de Tortura, nós comemoramos e rendemos nossa homenagem à vítimas e sobreviventes de tortura e reafirmamos nosso comprometimento de continuar trabalhando juntos e com parceiros ao redor do mundo para combater a tortura em todas suas formas e em todos os lugares. Ao mesmo tempo, nós nos mantemos vigilantes contra a ameaça de tortura e outras formas de maus-tratos, e cientes do fato de que a tortura pode ocorrer em qualquer lugar, a qualquer hora e contra qualquer pessoa.

Como podemos nos livrar desse flagelo mundial? Para enfrentar esta prática abominável, devemos primeiramente identificar os riscos de que a tortura se dê e então encontrar soluções para reduzi-los e eliminá-los. É sabido que o risco de tortura e outras formas de maus-tratos é significativamente maior durante as primeiras horas da custódia policial. Para prevenir a tortura durante este momento de elevado risco, medidas assecuratórias, tais como acesso a um advogado e notificação a familiares, devem ser implantadas na prática. A pesquisa independente “A Prevenção da Tortura Funciona?” que examinou 16 países num período de mais de 30 anos, incumbida pela Associação para a Prevenção da Tortura, concluiu que medidas assecuratórias, quando implantadas na prática, constituem a maneira mais eficaz para prevenir a tortura. Existe uma gama de medidas viáveis que os Estados podem adotar para prevenir a tortura.

Prevenção não é um conceito novo. Trinta anos atrás, no dia 16 de junho de 1987, a Convenção da ONU contra a Tortura e Outros Tratamentos ou Penas Cruéis, Desumanos ou Degradantes entrou em vigor, exigindo que os Estados tipificassem o crime de tortura e adotassem medidas para preveni-lo. Naquele mesmo dia, o Conselho da Europa adotou a Convenção Europeia para a Prevenção da Tortura, estabelecendo um comitê com atribuição para realizar visitas de monitoramento a qualquer lugar de privação de liberdade em qualquer Estado Membro da região. Desde então, metade dos Estados Membros da ONU já acolheram o sistema internacional de visitas a todos os locais onde pessoas se encontram privadas de liberdade estipulado no Protocolo Facultativo da Convenção da ONU.

Eliminar sistemas de justiça criminal centrados na confissão também é essencial para prevenir a tortura. Neste contexto, a metodologia para realizar interrogatórios e investigações por agentes de segurança pública é em si mesma uma medida assecuratória crucial contra a tortura. Desta forma, fazemos um apelo a que os Estados utilizem técnicas eficazes, éticas e não-coercitivas para a condução de investigações e entrevistas de todas as pessoas, incluindo pessoas suspeitas, vítimas e testemunhas. Tal modelo de interrogatório investigativo deve estar baseado no princípio da busca da verdade e deve operacionalizar a presunção de inocência. Ao abolir técnicas acusatórias, manipulativas e centradas em obter confissões, os Estados irão não somente aprimorar o grau de observância aos direitos humanos de suas práticas investigativas e de interrogatórios, como também sua eficácia em resolver crimes e manter a sociedade segura e estável.

Hoje, na qualidade de especialistas nesta questão, fazemos um apelo a todos os países para investir em medidas assecuratórias voltadas à prevenção da tortura e outras formas de maus-tratos. Cada vítima de tortura é inaceitável. Nesse momento quando líderes de Estado estão contestando a absoluta proibição da tortura, uma das melhores maneiras de combate-la e de alcançar um mundo livre de tortura é trabalharmos juntos e juntas para garantir sua prevenção em todos os lugares.

Relator Especial da ONU sobre a tortura e outros tratamentos ou penas cruéis, desumanos ou degradantes,

  • Professor Nils Melzer (Suíça), 2016-presente

Ex-Relatores Especiais da ONU sobre a tortura e outros tratamentos ou penas cruéis, desumanos ou degradantes,

  • Professor Juan Méndez (Argentina), 2010-2016
  • Professor Manfred Nowak (Áustria), 2004-2010
  • Professor Theo van Boven (Holanda), 2001-2004
Rio de Janeiro: Metodologia de monitoramento
20 septiembre 2011
Pastoral Carcerária o Brasil
1 noviembre 2012
Mecanismo Nacional é aprovado pelo Senado Federal
12 julio 2013
Recomendações sobre o Sistema Penitenciário Maranhense
10 enero 2014
Publicado edital para seleção do Comité Nacional de Prevenção à Tortura
4 febrero 2014
Carta aberta : pela urgente instalação do Comitê Nacional de Prevenção
6 junio 2014
Vinte e três membros tomam posse hoje para a prevenção da tortura
28 julio 2014
Convocatória para 2015 do Fundo Especial do Protocolo Facultativo
20 agosto 2014
Fórum Regional da APT
9 octubre 2014
Copa do Mundo: relatório alarmante sobre detenções arbitrárias e abuso policial
29 enero 2015
Especialistas internacionais da ONU visitarão o Brasil
10 febrero 2015
“Prevenção da tortura: o que precisamos para criar mecanismos independentes no Brasil?”
9 marzo 2015
Brasil: Nomeação dos integrantes do MNP
17 marzo 2015
Rio: preocupações sobre violações de direitos humanos no estado
22 mayo 2015
Brasil: MEPT de Pernambuco fala sobre riscos enfrentados pelas pessoas LGBT
25 junio 2015
APT se pronuncia contra a redução da maioridade penal no Brasil
26 junio 2015
Pronunciamentos dos Mecanismos de Prevenção no Dia Internacional contra a Tortura
26 junio 2015
Nota técnica sobre visita de órgãos da ONU ao Brasil
13 julio 2015
Nova edição do manual de monitoramento
3 agosto 2015
Relator demanda real compromisso do Brasil no enfrentamento à tortura
17 agosto 2015
Brasil: MEPT de Pernambuco deve ter sua segurança e prerrogativas garantidas na sua atuação
27 agosto 2015
Revistas vexatórias serão objeto de audiência temática perante a CIDH
22 octubre 2015
Participação social nas reuniões do Comitê Nacional de Prevenção à Tortura
17 diciembre 2015
Brasil deve eliminar a lacuna entre suas leis e a realidade no sistema carcerário
7 marzo 2016
Rondônia criará o primeiro mecanismo de prevenção à tortura da região norte
22 abril 2016
Juízes e juízas abordam o enfrentamento à tortura nas primeiras horas após a prisão
30 junio 2016
Entidades pedem a imediata composição do Comitê Nacional de Prevenção à Tortura
5 diciembre 2016
Mobilização nacional pela instalação de órgãos estaduais de prevenção à tortura
14 diciembre 2016
Rebelião em complexo penitenciário no Brasil: as recomendações do Mecanismo Nacional de Prevenção devem ser levadas a sério
5 enero 2017
Subcomitê da ONU põe em evidência o dever do Estado brasileiro e governos estaduais na prevenção à tortura
31 marzo 2017
Enfrentando o encarceramento em massa no Brasil
20 abril 2017
Brasil exortado a ampliar medidas de prevenção à tortura localmente
9 junio 2017
Mobilização pela criação do mecanismo estadual de prevenção e combate à tortura em São Paulo
26 junio 2017
Compromissos do Brasil perante a ONU devem se refletir em medidas concretas
21 septiembre 2017
Equipo
Contenidos conexos
Recursos externos
Twitter